De volta a Roma: visita ao Menino Jesus

O despertador toca às 7. Eu pulo na cama. Todo mundo ainda está dormindo.

Ando pela casa, perco o tempo por alguns minutos, depois levanto lentamente a persiana do nosso quarto, onde Eugenio e eu dormimos juntos na cama grande.

Ele responde com a menor insinuação, na verdade ele ainda está dormindo, mas tenho que acordá-lo, senão vamos atrasar nossa viagem.

Mentre io sono sotto la doccia, Eugenio, aiutato da Giuseppina, compie le sue operazioni mattutine in bagno.

Café da manhã pequeno, apenas alguns biscoitos. Tenho leite branco, biscoitos e café para começar.

Às 8h10 estamos no carro prontos para partir. Os olhos de Giuseppina estão brilhantes, como deveriam. Ver a gente partir não é legal, nem a gente sair, já que sempre fomos juntos. Mas não havia Covid19 em circulação.

Eu faço nafta, tanque cheio. Agora não falta nada.

Pegamos a rodovia para Caianello. Muitas patrulhas, zero tráfego de carros, muitos caminhões. Caminhoneiros: quando os outros estão dormindo, quando os outros estão de férias, quando os outros estão na praia ou na montanha, quando os outros estão presos, eles trabalham, sempre na estrada.

Às 10h20 estamos em Roma

Eugenio adora tirar fotos: a mesma paixão do pai!

Eles nos param em um posto de controle: muito gentis e compreensivos, apenas alguns minutos para as verificações de rotina, eles nos deixam passar com todas as honras, assim que ouvem que temos que ir para oHospital Menino Jesus.

Procuramos estacionamento junto ao passeio marítimo de Janiculum, nada, não tem estacionamento, nem paga 1k euros.

Direto para o estacionamento caro (no verdadeiro sentido da palavra) e quase sempre gratuito Gianicolo. Encontro um lugar quase na entrada.

Subimos ao hospital infantil Bambino Gesu.

Nossa Senhora nos espera como sempre, e como sempre nos acolhe com seu sorriso de mãe. Nós retribuímos.

À entrada do pavilhão de S. Onofrio encontra-se a tenda de triagem da proteção civil.

Entrada Eugenio OPBG: Visita ao Menino Jesus
Eugene OPBG entrada

Subimos ao terceiro andar, departamento de oncohematologia do hospital de dia.

Um matadouro: uma enxurrada de crianças, de 2 a 24 anos.

Uma multidão imensa, alguns já conectados às máquinas de quimio, outros esperando ansiosamente por uma entrevista.

Pegamos o número, F37, após cerca de 1,5 horas eles nos ligam para a coleta na sala K25. Sem dor.

Eugene esperando OPBG
Eugene esperando OPBG

Agora esperamos pela entrevista. São 13h40

L’attesa è stata lunga, lunghissima, snervante. Un via vai di bambini strillanti, presi dalla noia dell’attesa. Tanti adolescenti, attaccati a cateteri endovenoso stillanti una goccia alla volta di liquido chemioterapico.

Que dor vê-los.

Entre um telemóvel, um lanche, um gole de Coca-Cola, com o calor a tornar-se insuportável nas salas de espera, chegamos às 16h30

Estufados até os ossos, entramos na enfermaria e entro em contato com a matrona; gentilmente, como sempre, ela liga para Cacchione por telefone, que, não encontrando outras desculpas plausíveis, admite que se esqueceu de nós. Suspirar!

Ci riceve immediatamente: non sapeva dove mettere la faccia, e si profonde in 1000 scuse. Ok, andiamo avanti arriviamo al sodo.

Desenvolvemos a entrevista com a Dra. Milena Paiano, que nos dedica mais de meia hora com extremo cuidado, dedicação e doçura. Visita Eugênio por toda parte, fica satisfeito com as excelentes análises, mais uma vez exortando o guerreiro a beber muita e muita água, para normalizar o valor da creatinina.

Corro para pegar os remédios na farmácia do hospital, uma bela sacola cheia, e volto para buscar o Eugenio que estava esperando com os médicos.

Ele repetirá o Temodal no início do próximo mês e, em meados de maio, fará uma ressonância magnética de controle novamente. As palavras me confortam: "... e assim a cada 3 ciclos de terapia"

A esperança se estende.

Ci congediamo in fretta, abbiamo una voglia viscerale di tornare a casa.

Prendiamo l’auto al parcheggio Gianicolo, e impostiamo il navigatore su casa. Ci dice che dovremmo arrivare per le 20, in circa 2 ore

Como é sexta-feira à noite, e pelo número de carros e pessoas que cruzamos podemos dizer que Roma está deserta!

Às 20h00 estamos em casa. Somos recebidos por uma Giuseppina com um sorriso de 99 dentes e uma Francesca explodindo de alegria mais que fogos de artifício.

O tempo para devorar o excelente espaguete com camarão do chef Pepina, só perdemos tempo escolhendo um filme, que só podemos ver nos créditos iniciais. O sono nos domina.

Às 21h50 estamos na hora de dormir.

Boa noite amigos.

Ultimo aggiornamento: 26 Dicembre 2022 19:53 by Remigius Robert

anteriorpróxima postagem
Avatar de Remigio Ruberto

Olá, sou Remigio Ruberto, pai do Eugenio. O amor que me liga a Eugenio é atemporal e atemporal.

Deixe um comentário