Leia a história de Santa Teresa do Menino Jesus

Salvando almas

Thérèse Françoise Marie Martin nasce Alençon il 2 gennaio 1873 da una coppia di commercianti in oreficeria, molto credenti, “degni più del cielo che della terra”, come li definiva Teresina. E’ l’ultima di otto figli, tre dei quali morti bambini.

Orfana di madre all’età di quattro anni, rivive il dramma dell’abbandono per il progressivo ingresso in Carmelo delle quattro sorelle, ricevendo in compenso l’affetto particolare del padre, che la chiama “piccola Regina di Francia e di Navarra” e anche “l’orfanella della Beresina”.

Por sua vez, entrou no Carmelo de Lisieux com apenas 15 anos, graças a uma autorização especial do Papa Leão XIII, que a própria Teresa tinha ido a Roma mendigar: "Se Deus quiser, você entraráfoi a resposta do pontífice.

O desejo da menina era “salvar almas” e sobretudo “rezar pela ajuda dos padres”. Irmã Teresa do Menino Jesus e da Sagrada Face é o nome assumido no momento da profissão dos votos.

Por sugestão da superiora, ela imediatamente começou a escrever um diário no qual anotava as etapas de sua vida interior. Ele escreveu em 1895: "No dia 9 de junho, festa da Santíssima Trindade, recebi a graça de compreender mais do que nunca o quanto Jesus deseja ser amado".

a pequena rua

Na França do final do século XIX, o pensamento positivista estava se espalhando, encorajado pela multiplicação de grandes invenções e apoiado por impulsos anticlericais e ateus.

Por isso, assume particular importância a elaboração por Teresa de uma espiritualidade muito original, também chamada de "teologia do pequeno caminho" ou da infância espiritual, que funda a prática do amor a Deus não em grandes ações, mas em atos cotidianos aparentemente insignificantes.

Teresa escreve em sua autobiografia "Só há uma coisa a fazer: jogar as flores dos pequenos sacrifícios a Jesus". E em outro lugar: "Quero ensinar as pequenas maneiras pelas quais consegui."

No rascunho original, este diário traz o subtítulo "História primaveril de uma flor branca". Mas sob o aparente romantismo há, na verdade, um árduo caminho de santidade marcado por uma forte resposta ao amor de Deus pelo homem.

Non compresa dalle sorelle del Carmelo, Teresa dichiara di aver ricevuto “più spine che rose”, ma accetta con pazienza ingiustizie e persecuzioni come pure dolori e fatiche derivanti dalla malattia, offrendo tutto “per i bisogni della Chiesa”, “per gettare rose su tutti, giusti e peccatori”.

Per Giovanni Paolo II e Benedetto XVI lo specifico della sua spiritualità è la totale apertura all’invasione dell’amore di Dio, la capacità di rispondere a questo amore anche nella “notte” dello spirito: sorella in questo dei peccatori, dei lontani, degli atei, dei disperati e per questo dichiarata patrona dei missionari.

Morte e vicissitudes da "História de uma alma"

Dopo nove anni di vita religiosa, Teresa muore a soli 24 anni, il 30 settembre del 1897, a causa della tubercolosi: già nel 1923 viene beatificata da Papa Pio XI che la considera la “stella del suo pontificato”, quindi canonizzata nel 1925.

Negli anni cinquanta del secolo scorso l’abbé André Combes, teologo all’Institut Catholique, alla Sorbona di Parigi e alla Lateranense, scoprì le manipolazioni che erano state compiute in buona fede sul Diario di Teresa, dalle stesse sorelle, inclini a considerarla la piccola di casa; la dottrina spirituale e teologale dell’”infanzia spirituale” non si limita però a uno sfondo psicologistico e sentimentale fatto solo di attenzione alle piccole cose.

O cerne da sua espiritualidade reside antes na consciência de que o homem, mesmo na sua pequenez, acaba divinizado pela Graça. Nisso Teresa responde aos "mestres da suspeita" como Feuerbach,Marx, Freud, Nietzsche.O homem-criatura que se deixa endeusar pela invasão do amor de Deus é tudo menos "alienado". A cristologia e a antropologia caminham, portanto, de mãos dadas: Teresa antecipa em quase um século alguns textos do Vaticano II, de Paulo VI e, em particular, algumas passagens doCáritas in veritatede Bento XVI.

fonte © Dicastério para a Comunicação

Santa Teresa do Menino Jesus
Santa Teresa de Lisieux

Textos relacionados:

Papa Pio XI Santa Missa em honra de Santa Teresa de Lisieux, 17 de maio de 1925

https://w2.vatican.va/content/pius-xi/it/homilies/documents/hf_p-xi_hom_19250517_benedictus-deus.html

Mensagem de rádio do Papa Pio XII para a consagração da Basílica de Santa Teresa em Lisieux

http://w2.vatican.va/content/pius-xii/fr/speeches/1954/documents/hf_p-xii_spe_19540711_lisieux.html

Capela papal do Papa João Paulo II para a proclamação de Santa Teresa de Lisieux Doutora da Igreja 19 de outubro de 1997

http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/it/homilies/1997/documents/hf_jp-ii_hom_19101997.html

Audiência geral do Papa Bento XVI 6 de abril de 2011

http://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/it/audiences/2011/documents/hf_ben-xvi_aud_20110406.html

Encíclica de Bento XVI "Caritas in Veritate"

http://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/it/encyclicals/documents/hf_ben-xvi_enc_20090629_caritas-in-veritate.html

Messa Santa Marta Papa Francesco 1 ottobre 2013

http://w2.vatican.va/content/francesco/it/cotidie/2013/documents/papa-francesco-cotidie_20131001_strength-of-the-gospel.html

Do site "A Santa Sé"

http://www.vatican.va/news_services/liturgy/documents/ns_lit_doc_19101997_stherese_fr.html

Avatar de Remigio Ruberto

Olá, sou Remigio Ruberto, pai do Eugenio. O amor que me liga a Eugenio é atemporal e atemporal.

Deixe um comentário