Tempo di lettura: 14 minuti

Religioso, fundador: “Oblato de Tor de' Specchi

Santa Francesca Romana, celebrada em 9 de março

Muitas felicidades para aqueles que têm a honra e o privilégio de usar este nome sagrado, como Francesca Ruberto

Infância

Em 1378, a dupla eleição de Urbano VI e do antipapa Clemente VII abriu o Grande Cisma: durante quarenta anos dois ou mesmo três papas lutaram pelo trono de Peter

A ferida institucional na cimeira suprema do cristianismo teve consequências religiosas, mas também políticas, devastadoras para o Ocidente e para Roma, que era o seu centro simbólico. Francesca nasceu nesta cidade em 1384, cuja vida seria profundamente marcada por esses terríveis acontecimentos.

I genitori della futura santa, Paolo Bussa e Iacobella dei Roffredeschi,  di nobile e antica famiglia del rione di Parione,  abitavano in una casa posta sulla odierna via dell’Anima, e la bambina venne battezzata e cresimata nella vicina chiesa di S. Agnese in Agone.

Não sabemos nada sobre sua formação: certamente aprendeu a ler, embora seja menos certo que também soubesse escrever. Desde cedo Francesca se destacou por suas fortes inclinações espirituais: vivia em sua casa isolando-se como uma eremita, imersa na penitência, na oração e na leitura devota, praticando uma forma singular de ascetismo monástico dentro de casa.

O casamento

il conte di Troia riconsegna il figlio
o Conde de Tróia devolve seu filho

Desiderosa di votarsi completamente a Dio nella verginità, nel 1395 o nel 1396, all’età di dodici anni, venne data in sposa contro la sua volontà a Lorenzo Ponziani, appartenente a una ricca famiglia di bovattieri del rione di Trastevere, proprietari di numeroso bestiame e di vasti possedimenti agricoli nel contado.

Seu palácio em Ponterotto ficava perto da basílica de Santa Cecília, onde a família tinha seu nobre túmulo. Apesar da posição privilegiada, a vida conjugal de Frances fu segnata da molti dolori e gravi difficoltà famigliari.  Perse due figli in tenerissima età, a causa di una epidemia.

Nel 1408-09 o nel 1413-14, durante una delle occupazioni armate di Roma da parte delle truppe napoletane, i Ponziani pagarono un prezzo molto alto per la loro fedeltà alla Chiesa e agli Orsini contro il re Ladislao d’Angiò-Durazzo e i Colonna:  Lorenzo, il marito di Francesca, fu ferito tanto gravemente da rimanerne infermo per tutta la vita, il cognato Paluzzo esiliato, il figlio Battista, ancora fanciullo, preso in ostaggio.

Fu la stessa madre che, per obbedire al comando del confessore, condusse il bambino in Campidoglio, dove risiedeva il conte di Troia, luogotenente del re di Napoli,  e dopo aver affidato la vita del figlio alla Madonna dell’Aracoeli lo consegnò ai nemici. Ma quando i soldati tentarono di issare il fanciullo su un cavallo per portarlo via, l’animale indietreggiò, rifiutando in ogni modo di farsi montare.  Stupiti e forse un po’ superstiziosi, i soldati del conte decisero di liberare il bambino e lo riconsegnarono alla madre.  Gli antichi biografi di Francesca sottolineano che essa sopportò sempre con pazienza i dolori, le disgrazie, i rovesci economici e finanziari della sua famiglia.

Mas nas tribulações do santo destacam também o sofrimento de toda uma cidade, oprimida pela tirania, dividida, perpetuamente em crise pela ausência de um governo efetivo.


Caridade e humildade

miracolo del vino

Ainda que Francesca continuasse a carregar em si a antiga nostalgia do claustro e sempre tivesse sido fascinada pela vida eremita, viveu a escolha do deserto no coração e na mente e colocou-se totalmente ao serviço dos outros.

Comprese che il pieno ritiro nel monastero non era la sola condizione per raggiungere la perfezione, e che anche i laici dovevano sentirsi impegnati in questa ricerca. Ci si poteva santificare anche rimanendo nel secolo, attraverso una vita semplice e povera, aperta all’amore fraterno.

Esta foi a esperança que animou Francesca e marcou a sua vida com uma dualidade de experiências, entre o retiro na contemplação e a dedicação muito ativa aos outros.
Desde o início de sua vida conjugal desenvolveu uma intensa obra caritativa e assistencial em favor dos pobres e enfermos.

Trabalhou nos hospitais de S. Maria in Cappella, S. Cecilia, S. Spirito in Sassia. Deixou sempre a sua casa aberta às necessidades de quem a ela recorre para a esmola, chegando mesmo aos extremos, em tempos de fome, a esvaziar o celeiro e as caves para alimentar os necessitados. Francesca, porém, não se contentava em exercer a compaixão para com os pobres: ela mesma queria experimentar a condição deles.

Esposa de um homem nobre e rico, ela renunciou a todos os enfeites caros à vaidade feminina, para usar roupas simples e rudes. Vendeu as peças de seu rico enxoval e com o dinheiro mandou costurar roupas para os pobres. Ele também conseguiu captar algumas instâncias essenciais do franciscanismo, como o valor da pobreza pessoal e o profundo significado espiritual da mendicância.

Insieme alla cognata Vannozza Ponziani, era solita  recarsi in pellegrinaggio nelle basiliche romane e spesso, in queste occasioni, non esitava a sedersi sui gradini della chiesa per mescolarsi agli altri mendicanti: con umiltà profondissima chiedeva anche lei l’elemosina del pane,  pronta a  ricevere “con giubilo e letizia incredibile” anche gli insulti e il disprezzo.

O taumaturgo

Un aspetto fondamentale e caratteristico dell’impegno caritativo di Francesca è rappresentato dalla sua capacità di curare i mali del corpo e dell’anima. A Roma era assai nota per i suoi poteri

guarigione povero con braccio ferito

taumatúrgica: de facto tinha uma capacidade notável para curar vários tipos de doenças, recorrendo a meios simples, por ela preparados com ingredientes de uso corrente, ligados a um antigo património de sabedoria feminina e experiências e práticas populares: decocções, unguentos, cataplasmas de ervas.

Como terapeuta, porém, Francesca tinha uma especialização particular, ligada a uma intensa atividade ginecológica e obstétrica.

A sua laboriosidade neste campo radicava-se em precisos costumes sociais: este tipo de ajuda fazia parte, de facto, do complexo de obrigações e deveres tipicamente femininos.


esposa e mãe

Apesar da intensa actividade caritativa e assistencial, Francesca foi uma esposa e mãe solícita e atenta, que nunca colocou as suas necessidades espirituais e práticas contemplativas à frente da disponibilidade para com a família.

Nel corso della sua vita matrimoniale mantenne sempre il governo della sua grande casa in Trastevere, senza mai sottrarsi alle incombenze domestiche, né al duro lavoro manuale nell’azienda agricola dei Ponziani.  L’angelo custode le stava sempre vicino e la guidava con la sua luce nelle ore notturne, quando attendeva ai suoi compiti.

Mas ele a puniu, negando-lhe a visão, quando aborrecida com o peso excessivo dos afazeres diários, ela se esquivava dos deveres de ler e rezar. Neste episódio emerge um traço importante da personalidade espiritual de Francesca. Ela viveu o conflito entre a plena aceitação de seu destino feminino e a busca por experiências espirituais mais elevadas e gratificantes, mas também entendeu que a verdadeira perfeição deveria ser encontrada justamente no sólido equilíbrio entre as esferas familiar e social e a religiosa.

a oblação

Por volta de 1425, a vida de Francesca passou por uma virada decisiva.

Após 28 anos de casamento, Lorenzo Ponziani aceitou os desejos de sua esposa, concordando em levar uma vida casta no casamento. Francesca não abandonou o marido, pelo contrário, continuou a viver com ele até à sua morte em 1436, partilhando os últimos anos difíceis de doença e sofrimento físico, assistindo-o e cuidando dele até ao fim.

Se exteriormente não houve grandes mudanças em sua existência, a reviravolta por que passou sua vida interior foi profunda e significativa. De fato, na biografia do olivetano Ippolito é sublinhado que a mudança de estado deu origem a dois eventos importantes. Precisamente a partir deste período Francesca começou a ter êxtases frequentes e obteve o dom das visões, por outro lado tornou-se o ponto de referência para um grupo de mulheres que, motivadas por um intenso compromisso devocional, reuniam-se em torno dos beatos, primeiro numa associação livre e espontânea, então em um propósito comum de vida.

miracolo dell'uva

Em 15 de agosto de 1425, na solenidade da Assunção da Virgem, Francesca, acompanhada por nove membros, pronunciou a fórmula solene da oblação na basílica de S. Maria Nova, oficiada pelos monges olivetanos.

Desde o início, o grupo caracterizou-se, portanto, por uma referência precisa aos valores da espiritualidade beneditina, mesmo que por alguns anos os oblatos continuassem vivendo em suas próprias famílias. Somente em 1433 foi comprada uma casa no lado oeste do Campidoglio, onde se retiraram para levar uma vida em comum.

Francesca juntou-se a eles após a morte de seu marido em 1436 e assumiu o governo da comunidade, provendo como uma mãe para todas as necessidades materiais e espirituais de suas filhas.
Francesca permaneceu em Tor de' Specchi por quatro anos: exausta pelas vigílias, jejuns e penitências incessantes, morreu pacificamente na noite de 9 de março no Palazzo Ponziani, recitando o Ofício da Virgem, a cujo culto ela sempre foi devota.

morte di Santa Francesca
Santa Francesca Romana 12

a mística

La biografia di santa Francesca Romana è documentata da un ricco dossier agiografico, che comprende gli atti dei processi di canonizzazione, la Vita dell’olivetano Ippolito (1452-1453), ma soprattutto  i Tractati in volgare e in latino redatti tra il 1440 e il 1447 da Giovanni Mattiotti, rettore della cappella dell’Angelo nella basilica di S. Maria in Trastevere e confessore di Francesca negli ultimi undici anni della sua vita, in un periodo che fu fortemente segnato dai problemi di disciplina e regolamentazione spirituale di Tor de’ Specchi, oltre che dalle preoccupazioni per le sorti di Roma e della Chiesa, attraversata dalle drammatiche vicende del concilio di Basilea.

O sacerdote romano foi testemunha privilegiada deste capítulo decisivo da vida da santa, e no livro referiu-se às suas experiências místicas, às lutas que travou com o demónio, às suas visões do inferno e do purgatório.

devoção eucarística

visione dell'ostia

A capela do Anjo era de facto o principal teatro do êxtase, porque Francesca era geralmente sujeita a arrebatamentos místicos durante a missa, imediatamente após a comunhão, que era o centro da sua prática religiosa. Nas garras de uma forte concentração espiritual, ele perdia o contato com a realidade circundante por algumas horas, mas às vezes até por vários dias.

Questi stati avevano gradi diversi di profondità e di intensità.  Il Mattiotti distingue tra estasi immobili ed estasi mobili.

Nel primo caso, la veggente rimaneva muta e ferma come una statua, completamente indifferente a tutte le sollecitazioni di ordine fisico: era il momento della somma pace e della quiete perfetta. Durante le estasi mobili, invece, cantava, danzava predicava pubblicamente nell’ambone della chiesa, discutendo di teologia con la stessa profondità di un dottore. 

Conflitos com o diabo

conflitti con il demonio

Al recinto mistico della cappella, spazio sacro che esorcizzava il potere demoniaco, si contrapponeva la camera della beata, la cella nascosta e separata, ma esposta alle aggressioni del maligno, che perseguitava Francesca per sottrarla alla preghiera e sottoporla a veri e propri combattimenti che la lasciavano stremata.

Todos estes factos sobrenaturais tinham também uma forte qualidade somática e conduziam a verdadeiras transformações físicas, numa alternância de luzes celestiais e cheiros e torturas inéditas. O dom celestial das visões não era de fato gratuito, mas constituía o ápice de uma árdua jornada ascética.


maternidade espiritual

la maternità spirituale

La spiritualità di Francesca, nutrita dalle letture devote e da una intensa pratica sacramentale,  è tutta incentrata sul mistero dell’Incarnazione, della realtà di un Dio-uomo, un Dio incarnato, che è nato da una donna, è vissuto ed è stato toccato dal dolore. 

Una visione in particolare si presenta spesso agli occhi della santa:  Cristo le appare in sembianze umane, segnato dalle piaghe della crocefissione, da cui escono raggi luminosi che irraggiano tutta l’umanità.  Questa immagine si situa al punto di confluenza di vari percorsi: essa accoglie la pietà cristocentrica dei francescani, ma al tempo stesso l’essenza della lezione monastica di Dio come luce, bellezza, gloria della trascendenza.

Il Cristo trafitto delle visioni non ha perduto nulla della regale maestà del Pantokrator, del Dio altissimo dei monaci, Redentore e Salvatore del mondo.   Della grande tradizione mistica femminile trecentesca di eredità francescana Francesca assimilò profondamente la  pratica ascetica della continua memoria passionis Christi, la devozione al sangue, agli emblemi della passione, alla corona di spine, alle piaghe. Ed essa stessa fu una stigmatizzata che portò a lungo sul proprio costato una piaga dolorosa, segno visibile della piena conformità corporale e spirituale con le sofferenze patite dal Signore. 

No entanto, a dimensão dolorosa não é tão essencial e característica da mística de Francesca como a da maternidade espiritual, que ela viveu com grande intensidade.

Colpita dolorosamente negli affetti umani, essa sublimò misticamente la sua sofferenza di madre nella condizione spirituale di “madre di Gesù”.
Il suo amore speciale per il Bambino si esprime in numerose visioni del Natale, dell’Adorazione dei Magi, della Presentazione al Tempio. Forse, l’immagine che più di ogni altra rivela la sua intimità anche dolce e gioiosa con il divino è quella di Francesca che stringe tra le sue braccia il Bambino, lo culla e lo riscalda con il suo manto, oppure gioca con lui. 

Raramente esse tema, que também teve raízes antigas no início da tradição beguina, encontrou uma intensidade de acentos, uma expressão mais completa e comovente nos escritos de Gertrudes de Helfta do que nas visões de Francesca.

a visão angelical

angelo custode di Santa Francesca

È inoltre notevole nella santa la capacità di penetrare in profondità la mistica del mondo angelico, colta e percepita sotto aspetti molteplici. 

Nel libro delle visioni gli angeli sono ricordati nel contesto di una visione della maiestas divina in cielo, e viene valorizzata la loro funzione nella liturgia celeste, nella gloria del paradiso.  Nei duelli demoniaci gli angeli sono i combattenti per la salvezza delle anime  e avversari del diavolo.  In purgatorio il loro compito invece è quello di infermieri spirituali, preposti all’itinerario di purificazione ed espiazione delle anime. 

Francesca marcou uma etapa importante na história da angelologia, não tanto do ponto de vista doutrinário e teológico, mas por sua capacidade de valorizar uma relação concreta e única de amizade com seu anjo da guarda. Este guia espiritual invisível tem um impacto muito forte na existência terrena de cada homem: apoio e conforto nas dificuldades da vida, guia e proteção no caminho, companheiro na fase de desapego e afastamento da vida mortal, mestre na preparação para o futuro.

A Profetisa

Nel libro del confessore, emerge comunque un’altra dimensione del misticismo di Francesca, quella profetica. 

Donna di silenzio e di nascondimento, essa non rinunciò ad intervenire anche su alcuni problemi decisivi della Chiesa del proprio tempo, inviando messaggi divinamente ispirati a papa eugênio IV affinché nel corso della crisi di Basilea ritrovasse una comunione di intenti con i vescovi. 

Le suppliche e le preghiere di Francesca nascevano dal timore che l’intransigenza del papa potesse in qualche modo creare ulteriori fratture nella compagine ecclesiale, provocando un nuovo scisma che avrebbe avuto conseguenze drammatiche. 

In questo modo, Francesca raccolse l’eredità di altre grandi donne che a Roma erano vissute e avevano operato, dando una testimonianza appassionata d’amore per la sua città e la Chiesa,  e insieme invocando la necessità urgente di riforma.

Se Brígida da Suécia e Catarina de Siena foram as profetisas de Avignon, Francesca Romana foi a profetisa do Concílio de Basel. Por isso, apesar de sua palavra ter chegado até nós mediada pelos escritos de Giovanni Mattiotti, Francesca pode ser considerada uma das maiores vozes espirituais do fim da Idade Média.

S. Francesca Romana é considerada co-padroeira de Roma; ela é invocada como protetora das pragas e para a libertação das almas do Purgatório.

Em 1925, o Papa Pio XI (Ambrogio Damiano Achille Ratti, 1922-1939) designou-a padroeira dos automobilistas. 

Significado do nome Francesco/a: “homem livre” (alemão antigo).

fonte © Tor de' Specchi – Mosteiro dos Oblatos de Santa Francesca Romana


Ajude-nos a ajudar!

Santa Francesca Romana 10
Com a sua pequena doação, trazemos um sorriso aos jovens pacientes com câncer

Ler: