Festa Litúrgica: Imaculada Conceição Bem-Aventurada Virgem Maria

Nove meses antes do nascimento de Maria (8 de setembro), a Igreja celebra a solenidade da Imaculada Conceição da Bem-Aventurada Virgem Maria. Festa aprovada em 1476 pelo Papa Sisto IV e instituída para toda a Igreja por Clemente XI em 1708.

Colhendo a doutrina secular dos Padres e Doutores da Igreja, dos Concílios e de seus predecessores, Pio IX proclamou solenemente o Dogma da Imaculada Conceição em 1854: "Declaramos, afirmamos e definimos como revelada por Deus a doutrina que sustenta que a Bem-Aventurada Virgem Maria foi preservada, por particular graça e privilégio de Deus onipotente, em antecipação aos méritos de Jesus Cristo Salvador do gênero humano, imune de toda mancha de pecado original desde o primeiro instante de sua concepção" (BulaIneffabilis Deus, 1854).

Naquele tempo, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um homem chamado José, da casa de Davi. O nome da virgem era Maria. Entrando nela, ele disse: "Rallégrati, piena di grazia: il Signore è con te“.

A queste parole ella fu molto turbata e si domandava che senso avesse un saluto come questo. L’angelo le disse: “Non temere, Maria, perché hai trovato grazia presso Dio. Ed ecco, concepirai un figlio, lo darai alla luce e lo chiamerai Gesù. Sarà grande e verrà chiamato Figlio dell’Altissimo; il Signore Dio gli darà il trono di Davide suo padre e regnerà per sempre sulla casa di Giacobbe e il suo regno non avrà fine”.

Então Maria disse ao anjo: "Como acontecerá isso, visto que não conheço homem algum?". O anjo respondeu-lhe: “O Espírito Santo virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra.

Perciò colui che nascerà sarà santo e sarà chiamato Figlio di Dio. Ed ecco, Elisabetta, tua parente, nella sua vecchiaia ha concepito anch’essa un figlio e questo è il sesto mese per lei, che era detta sterile: nulla è impossibile a Dio”. Allora Maria disse: “Ecco la serva del Signore: avvenga per me secondo la tua parola”. E l’angelo si allontanò da lei (Lc 1,26-38).

um sonho de amor

O texto do Evangelho é elaborado a partir da carta aos Efésios (1,3ss) que a liturgia nos oferece como segunda leitura. Um hino de louvor, de glória, de bênção que celebra o "desígnio" de Deus para a humanidade: "Benedetto Dio, Padre del Signore nostro Gesù Cristo, che ci ha benedetti con ogni benedizione…In Gesù ci ha scelti…per essere santi, immacolati…predestinandoci ad essere figli”. Um sonho, um projeto que encontra em Maria o seu modelo: santa e imaculada.

um sonho quebrado

Destruir este sonho, o pecado de Adão e Eva, que a liturgia nos apresenta como primeira leitura. Ao sonho de Deus há sempre a liberdade do homem e da mulher de dizer não.

Maria, a recuperação do sonho

No "sim" de Maria, Deus recupera o sonho original e prepara o "terreno" para que o seu Filho unigénito, Jesus, se faça homem no seio de uma mulher. Um "sim" que vem depois de um momento de hesitação, de perplexidade, mas que finalmente cede porque ao Amor que pede só se pode responder com um amor que se põe à disposição. Maria, cheia de graça, toda bela, toda pura, toda santa: nela resplandece a beleza de Deus, tornando-se a obra-prima do amor de Deus.

Como ela, todos

Mas “somos todos predestinados”, todos cheios de todas as bênçãos, todos escolhidos para serem santos e imaculados. Portanto, a Virgem Maria não só deve ser "admirada" com ternura e admiração, mas pede para ser "imitada" para que a beleza de Deus brilhe na terra graças aos muitos "sim" que os homens e mulheres de hoje continuam seguindo o exemplo e pela intercessão de Maria, a Imaculada, se pronunciar.

oração

Virgem Santa e Imaculada,
a Ti, que és a honra do nosso povo
e o protetor protetor de nossa cidade,
nos dirigimos uns aos outros com confiança e amor.
Tu és a Toda Bela, ó Maria!
O pecado não está em você.

Desperte em todos nós um renovado desejo de santidade:
em nossa palavra que o esplendor da verdade brilhe,
que o cântico da caridade ressoe nas nossas obras,
em nosso corpo e em nosso coração habitam a pureza e a castidade,
que toda a beleza do Evangelho esteja presente em nossas vidas.
Tu és a Toda Bela, ó Maria!

A Palavra de Deus se fez carne em você.
Aiutaci a rimanere in ascolto attento della voce del Signore:
o grito dos pobres nunca nos deixa indiferentes,
o sofrimento dos doentes e dos necessitados não nos encontra distraídos,
a solidão dos idosos e a fragilidade das crianças nos comovem,
que cada vida humana seja sempre amada e venerada por todos nós.
Tu és a Toda Bela, ó Maria!

Em você está a alegria plena de uma vida abençoada com Deus.
Não percamos o sentido do nosso caminho terreno:
que a luz suave da fé ilumine nossos dias,
que a confortadora força da esperança guie os nossos passos,
que o calor contagiante do amor aviva nossos corações,
que todos nós tenhamos os olhos fixos ali, em Deus, onde está a verdadeira alegria.
Tu és a Toda Bela, ó Maria!

Ouça nossa oração,
ouça nosso apelo:
seja em nós a beleza do amor misericordioso de Deus em Jesus,
que esta beleza divina nos salve,
nossa cidade,
o mundo inteiro.
Um homem.

(Papa Francesco) 

fonte © Dicastério para a Comunicação

A Imaculada Conceição é um dogma católico proclamado pelo Beato Pio IX (Giovanni Maria Mastai Ferretti, 1846-1878), em 8 de dezembro de 1854, com a Bula "Ineffabilis Deus” que estabelece como a Virgem Maria foi preservada livre do pecado original desde o primeiro momento de sua concepção:

"(…) afirmamos e definimos como revelada por Deus a doutrina que sustenta que a santíssima Virgem Maria foi preservada, por particular graça e privilégio de Deus Todo-Poderoso, em antecipação aos méritos de Jesus Cristo, Salvador da raça humana, imune de toda mancha de pecado original desde o primeiro instante de sua concepção, e isso deve ser um objeto certo e imutável de fé para todos os fiéis."

Mas a história da devoção a Maria Imaculada é muito mais antiga. Precede por séculos, aliás por milênios, a proclamação do dogma que, como sempre, não introduziu nada de novo, mas simplesmente coroou uma tradição muito longa.

Já os Padres da Igreja do Oriente, ao exaltar a Mãe de Deus, tiveram expressões que a colocaram acima do pecado original. Eles a chamavam:Culpado, culpado(no sentido de "sem culpa"), beleza da inocência, mais pura que os anjos, lírio mais puro, nuvem mais esplêndida que o sol, imaculada".

No Ocidente, porém, a teoria da imaculabilidade encontrou forte resistência, não por aversão a Nossa Senhora, que permanecia a mais sublime das criaturas, mas para manter firme a doutrina da Redenção, realizada apenas em virtude do sacrifício de Jesus.

Se Maria tivesse sido imaculada, isto é, se tivesse sido concebida por Deus fora da lei do pecado original, comum a todos os filhos de Eva, Ela não precisaria da Redenção e, portanto, já não se poderia dizer que esta é universal. A exceção, nesse caso, não confirmou a regra, mas a destruiu.

O franciscano John Duns, chamado Scotus por ser natural da Escócia, e chamado de"Doutor Slim", conseguiu superar esse obstáculo doutrinário com uma distinção sutil, mas convincente. Até Nossa Senhora havia sido redimida por Jesus, mas com uma Redenção preventiva, antes e fora do tempo. Ela foi preservada do pecado original em antecipação aos méritos de seu filho divino. Isso era conveniente, era possível e, portanto, foi feito.

Giovanni Duns Scotus morreu no início do século XIV. Depois dele, a doutrina da Imaculada Conceição fez grandes progressos e a sua devoção difundiu-se cada vez mais.

A partir de 1476, a festa da Imaculada Conceição de Maria foi introduzida no calendário romano.

Em 1830, a Virgem apareceu (Rue du Bac em Paris) a Santa Catarina Labouré pedindo que fosse cunhada uma medalha posteriormente chamada "medalha milagrosa” com a imagem da Imaculada Conceição emoldurada pela escrita"Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós" (Original: "Ô Marie conçue sans peché priez pour nous qui avons recours à Vous")

Esta medalha despertou intensa devoção; muitos Bispos pediram a Roma uma definição daquele dogma que já estava no coração de quase todos os cristãos.

Assim, em 8 de dezembro de 1854, o Beato Pio IX proclamou Maria livre do pecado original, toda pura, isto é, Imaculada: foi um ato de grande fé e extrema coragem que suscitou alegria entre os fiéis de Nossa Senhora, mas indignação entre os inimigos de O cristianismo como dogma da Imaculada Conceição foi uma negação direta dos naturalistas e materialistas.

Quatro anos depois, as aparições de Lourdes apareceram como uma prodigiosa confirmação do dogma que a Virgem havia proclamado“tudo lindo”, “cheio de graça”e livre de toda mancha de pecado original. Uma confirmação que parecia um agradecimento pela abundância de graças que choveram sobre a humanidade desde o coração da Imaculada Conceição.

Tota pulchra es, Maria.

Você é linda, Maria,
e pecado original
não está em você.
Tu és a glória de Jerusalém,
alegria de Israel,
honra de nosso povo,
você defende os pecadores.

Ó Maria! Ó Maria!
Virgem prudente,
mãe clemente,
Ore por nós,
interceda por nós
presso il Signore Gesù Cristo.

fonte gospeloftheday.org

Imaculada Conceição da Bem-Aventurada Virgem Maria - Tiepolo
Imaculada Conceição - Tiepolo
Avatar de Remigio Ruberto

Olá, sou Remigio Ruberto, pai do Eugenio. O amor que me liga a Eugenio é atemporal e atemporal.

Deixe um comentário